A quem a vitória importa, quando os dois botos encantados estão empatados com 9  títulos cada um? Para Hermes Caldeira, que fez o papel do boto Tucuxi, o empate esse ano fez tudo mais saudável.  Pelo visto, nem todos pensam assim. O Boto Cor de Rosa pediu uma nova contagem de votos e aguarda avaliação da coordenação do evento. 

Reportagem de Hellen Joplin e Patrícia Kalil | Fotos de Claudio Chena
Ritual indígena na abertura do evento

O Çairé surgiu com as missões jesuíticas na Amazônia e há registros de sua ocorrência em várias vilas espalhadas pela floresta que datam de 300 anos. A festa era realizada pelos índios convertidos ao cristianismo e seu caráter era essencialmente religioso. O tempo passou e embora a comemoração tenha desaparecido de muitos vilarejos, ganhou força em Alter do Chão nos últimos 50 anos, tendo se transformado ainda mais nas últimas duas décadas com o crescimento do turismo. Hoje, é uma festa que dura duas semanas e guarda ainda uma parte religiosa, com rituais e ladainhas, mas ganha mais força na parte profana, com a competição dos botos amazônicos, shows ao vivo e bebidas.

Rainha do Lago Verde do Boto Tucuxi – Foto Claudio Chena

O duelo entre os botos é razoavelmente recente. Existe há 20 anos, tendo sido incorporado ao Çairé somente em 1997 por iniciativa dos próprios comunitários para animar a parte profana da festividade. Desde então, duas associações folclóricas separadas foram criadas, uma para o boto Tucuxi (cinza) e outra para o boto Cor de Rosa. Elas contam todos os anos a mesma história: a lenda do boto encantado que se transforma em homem para seduzir uma linda cabocla que será mãe de seu filho. Esse ano, surgiu informalmente o boto dourado, o botoiola, mas ele ainda não participa oficialmente das apresentações e sua festa acontece fora do evento.

Foto Claudio Chena

Ao longo de todo o ano, as duas associações se preparam separadamente, decidindo letra e música, ensaiando coreografias, criando fantasias e alegorias, além de escolher os moradores que farão as personagens de destaque: o apresentador, o cantador, a rainha do Sairé, a cabocla Borari, o curandeiro, a rainha do artesanato, o boto homem – encantador, o boto animal, a rainha do Lago Verde. Tudo isso vale nota. Os botos também são avaliados pelo carimbó, organização do conjunto folclórico, ritual e torcida.

Maria Eulália, rainha do Boto Cor de Rosa – Foto Hellen Joplin

“Pra mim foi maravilhoso defender o item rainha do Çairé, principalmente por ter a responsabilidade de simbolizar o que a festa representa, o religioso e o profano” – Maria Eulália, rainha do Boto Cor de Rosa

A entrada do boto Tucuxi começou na sequência com a fala de Alessandra Korap Munduruku sobre os perigos que os projetos de portos e hidrelétricas no Tapajós representam para todos os povos da região. Mesmo que as torcidas rivais evitem aplaudir uma à outra, quando Alessandra terminou seu discurso, as duas arquibancadas aplaudiram juntas e gritaram Fora Temer.

“A gente está mergulhado em sangue de índio. Nesta festa, estamos aqui para defender o nosso rio Tapajós, o nosso território e todos os rios da Amazônia. Os portos de soja são para os estrangeiros, as hidrelétricas são para os estrangeiros, a mineração é para os estrangeiros. Nada é bom para nós, indígenas, ribeirinhos e pescadores”. 

Alessandra continuou o discurso falando da importância de consultar os povos da floresta, como definido na convenção internacional 169 da Organização Internacional do Trabalho das Nações Unidas/ ONU, antes de fazer qualquer ação que resulte em impacto na Amazônia. Terminou sua fala expulsando todos que destróem nossa floresta.

Não ao agronegócio! Fora Temer! Fora hidrelétricas no Tapajós! Viva o povo Munduruku, viva o povo indígena do Brasil! Viva o povo do Brasil! SAWE! SAWE! SAWE!”

Shows com a fina flor do Pará

Esse ano, os shows foram regionais, valorizando o que há de melhor na música paraense. Assim, mestre Solano, Pinduca e a rainha do carimbo chamegado dona Onete subiram no palco para garantir o balanço e a alegria.

“Pinduca Gonçalves e Patricia Bastos que tocaram por aqui acabam de ser indicados ao Grammy Latino. Dona Onete é uma estrela nacional. Silvan Galvão é realizador de um bloco de carimbó que encantou o Rio da Janeiro no último carnaval. Mestre Solano O Rei da Guitarrada é respeitado pelos maiores músicos do Brasil. A Lucinnha Bastos fez o melhor da festa e o David Assayag Official mostrou que é realmente a voz da Amazônia. Fora as bandas locais de Santarém e Alter do Chão que fizeram desse Çairé uma festa regional e linda”
– conta Rodrigo Viellas produtor cultural

O ritual religioso

Tudo começa um sábado antes da semana do Çairé com a retirada de dois troncos de árvores da floresta do outro lado do lago para serem usadas como mastros. Uma vez na vila, os mastros são enfeitados com alimentos e erguidos até o final do evento, representando a fartura da região.

Dona Celiney Lobato, professora de arte e fundamental da escola Borari, foi mordoma este ano e contou sobre a retirada dos mastros: “Às 5h, uma queima de fogos anunciava o nascer do dia. Às 7h, fomos todos tomar café da manhã na casa da dona Maria Benvinda. Nos reunimos lá a saraipora, a juíza, mordomos e mordomas (responsáveis pela ornamentação do barracão) e os foliões. Em seguida, caminhamos juntos em cortejo até a orla onde os barqueiros esperavam com suas catraias enfeitadas para a romaria fluvial.  que se dirige ao mucaem (local onde se retira os mastros) para a busca dos mastros”.

Antes de atravessar o lago com os mastros, acontece um plantio de mudas nativas como andiroba, pequiá e cumaru, como forma de compensar a retirada de duas árvores. Depois disso, a procissão retorna para a vila com os dois mastros, um dos homens e um das mulheres. Os mastros são levados até a praia do Cajueiro onde são enfeitados para a festa. Na quinta feira, uma nova procissão leva os mastros já preparados até a praça do Çairé, marcando o início das festas profanas.

Durante a festa profana, os comunitários envolvidos com a parte religiosa do festival não param. Eles rezam em latim durante as noites de evento algumas vezes em volta dos mastros. Veja vídeo da prefeitura sobre as ladainhas:

 

LEIA TAMBÉM:

Entrevista com Pinduca 

Um bate-papo muito agradável com o rei do Carimbó depois do show no Çairé.
Por Diogo Borges Carneiro – morador da vila, músico do Kuatá de Carimbó e professor de biologia em Santarém.

 

 

boto

Outros carnavais: o risco da industrialização do boto

Uma reflexão sobre a comercialização e crescimento do evento e as consequências para a vila de Alter

 

 

 

 

Please follow and like us:
Categories: Çairé

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *