POR DENNIS RAMOS PINTO

No quintal da minha casa há um cajueiro. É um pequeno arbusto que com o passar dos anos não cresce e raramente dá algum fruto. Lembro-me que no ano passado foram só dois pequenos.

Outro dia saí na varanda e puder ver que no cajueiro havia um caju maduro. E ali estava o cajueiro olhando para mim e, humildemente, me ofertando o único fruto que conseguira gerar neste ano.

Me aproximei e, colhendo o fruto, pude sentir sua generosidade. Nesse momento, notei o quanto estava debilitado e pude sentir o quanto foi difícil vencer os desafios para o que estava me ofertando. Senti, também, o quanto eu o havia ignorado.

Cajueiro, minha gratidão! Por teus frutos… pelo que fizeste em mim amadurecer.

                                                            

Categories: Certas palavras

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *