Com mais de 60 assaltos nos primeiros dois meses do ano, moradores de Alter do Chão se organizam para pedir ao governador atenção à crescente violência na vila.

Por Leila Borari, Léo Ferreira e Diogo Borges Carneiro

As lideranças indígenas Leila Borari e  Ellen Acioli Sateré Mawé entregam ao governador do Pará, Simão Jatene, pedido de segurança e inteligência para proteger a vila, moradores e turistas.

Pedido de apoio para Segurança Pública em Alter do Chão

Nós moradores de Alter de Chão, temos assistido um crescente índice de violência nesta, até então, pacata vila do Oeste do Pará que responde do cerca de 25% do turismo do Estado. Desde 2015 vários incidentes, a princípio isolados foram aumentando de frequência. Assim a partir de dados coletados de maneira participativa, gerados a partir de B.Os e de vítimas que não fizeram a ocorrência foi gerado um mapa dessas ocorrências, onde pode ser observado um aumento de casos envolvendo mão armada (Anexo I).

Ainda nesta madrugada (09/03/2018) quatro ocorrências contribuíram para deixar a população ainda mais em clima de medo e aumentar as estatísticas. Uma tentativa de assalto, e dois assaltos dentro de casas, uma delas de um professor que relata que por sorte não morreu uma vez que viu o disparo da arma sendo executado, as três outras vítimas não querem ser identificadas. Observa-se também que desde janeiro desse ano já foram mais ocorrências que o ano de 2017.

Mapeamento feito por moradores

Diante destes fatos apresentados, torna-se claro que situação deve ser contornada de forma oficial uma vez que uma Vila que além de ter tamanho suficientemente pequeno para elaborar uma ação efetiva, responde por grande parte da geração de renda pelo turismo do Estado e a partir de um aumento da criminalidade poderia provocar uma queda de visitantes. Com isso gostaríamos que o Governo do Estado do Pará promovesse ações que colaborasse para uma efetiva segurança da população, com isso sugerimos algumas ações emergenciais e outras de médio prazo afim de garantir o bem-estar dos moradores de Alter do Chão.

AÇÕES:

  • Aumento do quadro de policiais destacados para a Vila;
  • Implantação de policiamento especializado em locais turísticos;
  • Permanência de um Escrivão 24 horas;
  • Destacar duas viaturas, quatro motos e combustível para a execução de rondas diárias e constantes;
  • Estabelecer rondas e abordagens no turno noturno e em todos os bairros;
  • Rodízio do destacamento, afim de melhorar o patrulhamento. Sugerimos um período de seis em seis meses;
  • Investigação sobre as ocorrências, descobrir os envolvidos, forma de ação, origem, etc;
  • Fortalecer a ação a Vara da Infância e Adolescência;
  • Trabalhar junto a prefeitura na instalação de iluminação pública nos bairros onde não existe;
  • Pavimentar vias visando facilitar o trabalho das viaturas;
  • Instalação de câmeras de segurança em pontos estratégicos (saída da vila);
  • Contamos com vossa compreensão e engajamento.

E registramos aqui que estamos nos organizando para dar visibilidade nacional aos fatos apontando o descaso das autoridades caso nenhuma ação efetiva seja tomada brevemente!

Sem mais, moradores de Alter do Chão

 

Saiba mais:

“Levantamento aponta cerca de 60 assaltos em Alter do Chão nos primeiros dois meses de 2018”, G1, 10/03/2018: https://goo.gl/7Exzk3

One comment

Onda de assaltos em Alter do Chão mobiliza comunidade

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *